terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Músicas Censuradas - RPM

Diante do assunto de músicas censuradas na época da ditadura militar, me lembrei da banda RPM.

Sabem a música do RPM, que o KLB também gravou e que até hoje faz muito sucesso? Pois bem, na última estrofe da música OLHAR 43 termina assim: “que eu já não quero nem saber se vai caber ou vão me censurar”...


A banda RPM fez muito sucesso na década de 80, época conturbada, final da ditadura militar, das inflações astronômicas.

Olhar 43 não foi a única música censurada da banda RPM, outra música seria Alvorada Voraz, a letra expressa diretamente os escândalos na época.

Alguns anos após o mandato de José Sarney, o RPM resolveu colocar na integra a letra da música falando dos escândalos, na letra alvorada voraz: “o caso Sudan, Maluf, Lalau, Barbalho Sarney, e quem paga o jornal é a propaganda, pois nesse país é o dinheiro que manda, e juram que não corrompem ninguém, agem assim, pro seu próprio bem...”

Se vocês verificarem na internet vão descobrir que tem uma versão que é mais tocada nas rádios, que não fala explicitamente o nome do Sarney.

Pois bem, um pouco antes do show da banda em São Luís no dia 06 de abril de 2013, o cantor – Paulo Ricardo foi censurado para não cantar a estrofe que fala do Sarney, como aconteceu nos anos 80. O que não difere muito nos jornais televisivos que quando algum jornalista fala algo que afeta alguém do poder, é diretamente tirado do ar.

Talvez o pior exemplo patrulhamento seria lá mesmo. Mas outra música do RPM é Revoluções por minuto que critica a situação da época pós ditadura. Originalmente ela foi censurada sendo considerada uma apologia às drogas, claro que isso foi só uma desculpa porque sabemos que o motivo foi a crítica do sistema ditatorial. Mas podemos ver a forma direta que criticavam a sociedade da década de 80.

Fiquem com a música completa (versão da musica):

Alvorada Voraz

Na virada do século, alvorada voraz,
Nos aguardam exércitos, que nos guardam da paz
Que paz !

A face do mal, um grito de horror,
Um fato normal, um êxtase de dor e medo de tudo,
Medo do nada
Medo da vida, assim engatilhada

Fardas e força,
forjam as armações
Farsas e jogos,
armas de fogo
Um corte exposto
Em seu rosto amor,

E eu,
Nesse mundo assim, vendo esse filme passar,
Assistindo ao fim, vendo o meu tempo passar

Apocalipticamente, como num clipe de ação
Um clic seco, um revólver, aponta em meu coração

O caso Sudan,
Maluf, Lalau,
Barbalho Sarney,
Ninguém paga o Jornal,
é a propaganda,
pois nesse pais,
é o dinheiro quem manda

Juram que não corrompem ninguém,
agem assim
Pro seu próprio bem

São tão legais,
foras da lei,
Pensam que sabem de tudo,
O que eu não sei

Nesse mundo assim, vendo esse filme passar
Assistindo ao fim, vendo o meu tempo passar

Se quiser ouvir a música também só CLICAR AQUI

Olhar 43, CLIQUE AQUI e ouça

Revoluções por minuto, CLIQUE AQUI e ouça

Escrito por: Manuelle Catapam Andrade

2 comentários:

  1. Estive verificando e no youtube ainda se encontram as versões verdadeiras, exceto essa possui uma diferença significativa que fala do verso do Sarney, ainda que com outra critica
    https://www.youtube.com/watch?v=rfZgZahoaWw

    ResponderExcluir